terça-feira, junho 20, 2006

O CAIR DAS MÁSCARAS

Apesar de mais concorrido do que o costume, este ano a vera comemoração do 10 de Junho deprimiu-me.
Senti o peso dos anos como nunca. O desgaste da emoção contida. O gritar silencioso dos espectros dos mortos a rondarem-nos o coração.
Erosão da rotina ? Cansaço ? Sinais de impotência no culto dos que caíram por Portugal ? A irritação indignada pela canalha atitude da maioria da CS televisiva ?
Este ano, nem sei bem por quê, nem fui rezar junto ao Monumento, a prestar a homenagem que devo a quem tudo sacrificou em nome da Pátria!
Regressado a casa, foram-me impingidas as imagens tragicómicas das comemorações ditas oficiais, com carros de combate (já obsoletos quando adquiridos) a empanarem para gáudio da populaça que assistia ao caricatural desfile militar.
Mais irritação...Mais desconforto...
E eis senão quando o apessoado locutor anuncia com pompa e circunstância a atribuição da Ordem da Liberdade ao comunista Óscar Lopes ! Não é a primeira vez que um defensor da Ditadura do proletariado (leia-se da sua Nomenklatura) é agraciado com tal distinção mas não deixa de ser sempre revoltante....Dir-se-á que Lopes era comunista mas realizou uma grande obra sobre a História da nossa Literatura; aconselho-vos a lerem as Memórias de António José Saraiva antes de produzirem tal dislate, tal o sectarismo e preconceito político que subjaz à obra.
Mesmo com a desvalorização que a acção de Sampaio e dos seus antecessores introduziu na distribuição de condecorações não deixa de ser ultrajante e hipócrita.
E o Daniel Sampaio, esse afamado abortista e incompetente psiquiatra que tão nocivo tem sido às sãs relações familiares ? Mais um embusteiro que fica bem na fotografia.
Mas confesso (só para os amigos) que acabei por ganhar o dia:
Ao fazer zapping para me livrar da sarna do Mundial, acabei por parar no 2 , para ouvir o Eduardo Lourenço a auto elogiar-se a coberto da sua falsa humildade. E foi a apoteose quando as câmaras se detiveram no diálogo do E.L. com o Manel Alegre:
M. A. : Hoje já não sei se gosto do Gorbatchev: Aquilo foi incrível
E. L.: Pois foi, pois foi !
M. A. : O gajo perdeu o controle da coisa
E. L.: É verdade, perdeu o controlo do processo
M.A.: Aquilo não foi uma implosão. Foi uma autêntica derrota.
E. L: :Uma derrota da História !
Pois é, seus socialistas democráticos (?). Ainda bem que se reveem na situação pré-Gorbatchev. A mim nunca me enganaram...Ainda bem que reconhecem que a queda do Muro não afectou só o PC.

2 comentários:

reconquista disse...

Soberba a sua "reportagem" de mais um 10 de Junho apalhaçado. Também vi, e também por acaso, o diálogo que o meu amigo fielmente reproduz. Confesso que fiquei surpreendido (ou confrangido) com a "candura" papalva dessas duas personagens do "milieu". Parabéns pela transcrição fiel. Assim, fica para a pequena história, a mais reveladora.
Cumprimentos respeitosos.

Pedro Ferreira, Visconde de Cunhaú disse...

È triste assistir ao desmoronar da portugalidade!