segunda-feira, julho 17, 2006

Zapatea meu bem, zapatea... que não nos roubarás a História

Exactamente 70 anos atrás, são 16h23.
Chefiado pelo Sargento Joaquim Sousa Oliveira, um pequeno destacamento do Tercio, penetra no pátio da Alcazaba (onde tinha sede a Comissão Geográfica de Limites, em Melilha-a-velha) e tem na sua mira o Tenente Zaro, dos Serviços de Informação e Segurança, onze Guardias de Asalto e quatro polícias. Alertados por um bufo, tinham vindo proceder a um busca nas instalações, por ordem do delegado do Governo em Melilha. Aí se encontravam reunidos os T./Cor. Seguí, Bartomeu, Gazapo, Zanón, Medrano, dois capitães da Guardia Civil, vários tenentes e alguns falangistas. Um dos tenentes, o legionário, Júlio de la Torre, perante o aparecimento de Zaro, conseguiu escapulir-se sorrateiramente e, por telefone, ligou para o vizinho quartel da Legião, solicitando ajuda.
Seguí, tinha sido juntamente com Franco, em Tenerife, e Sanjurjo, em Lisboa, um dos destinatários do telegrama cifrado que, desde Bayonne, Félix Maíz, às ordens de Mola, El Director,tinha enviado às 7h15 da manhã do dia 17 a anunciar a sublevação para as 00h00 desse dia. Preventivamente, alguns tabores de Regulares haviam sido trazidos para os arredores de Melilha no dia anterior.
Às 16h32, os conjurados que sabem contar em Melilha com menos de uma centena de soldados de confiança convocam por telefone as guarnições da Legião e dos Regulares da região que rapidamente se lançam sobre a vila e a dominam.
Resistência só a houve na Base de hidroviões de Atalayón, onde cairam as primeiras vítimas da GCE, dois soldados de Regulares. A resistência cessou quando o tabor do Major Mohammed El Mizzian se incorporou no ataque e pelas 18h30 tudo estava terminado.
Os radiotelegrafistas de Marrocos quase todos afectos à Frente Popular rapidamente haviam difundido as notícias da sublevação vitoriosa. Em Madrid, apesar dos esforços de Casares Quiroga para esconder os factos e anestesiar a opinião pública, as células da maçónica UMRA tomam a iniciativa e posicionam-se nos pontos críticos do Poder militar. Da mesma forma procede a Generalitat, na posse de preciosa informação sobre os cabecilhas dos conjurados.
Tudo se prepara para o dia seguinte.
Às 21h00, Melilha está ocupada e tranquila e os sublevados são secundados em todo o lado pelas populações civis e pelas autoridades marroquinas.
Afinal, contrariamente ao que pensava La Pasionária,os carneiros não se resignavam a morrer em Holocausto...

1 comentário:

filomeno2006 disse...

El 5 de agosto, el Caudillo atravesaría el Estrecho de Gibraltar......