sexta-feira, outubro 07, 2005

Meus caros

Com o azeite bem separado do vinagre, confesso-vos que não tenciono gastar nem mais um minuto com uma polémica que não conduz a lado algum. Permitam-me, no entanto, salientar o seguinte:

  • Um boa parte dos comentadores (seguramente por inépcia minha em fazer-me entender) acabaram por não perceber patavina do que é uma Pátria, uma Nação, um Estado, um Império ou até mesmo uma etnia (conceito essencialmente cultural e não bio-genético que penso que usam em vez de raça; ganda raça a portuguesa, descendente de iberos ou de celtas ? de mouros ou judeus ? de fenícios ? de recolectores de conchas ? de construtores de megalitos ? ah, claro, já me esquecia que as elites são descentes dos germânicos visigodos ou suevos. Qual é que é o essencial e qual o acessório ? É pela língua ariana que se define a Nação? Então, moço, todo o braslêro é ariano! E os moçambicanos ? Onde é que eu tinha a minha cabeça ! E é claro que nos E.U.A. não seriamos tratados como não brancos. Como lá vivi 5 anos, a minha experiência foi seguramente afectada pela minha tez da Beira Baixa que os enganou.
  • Não sou defensor do Portugal artificial de Minho até Timor (um rascunho do projecto de Nação apregoado por quem, no fundo, nele não acreditava) e é mais um pegajoso reducionismo resumir as posições apenas às duas mencionadas por F. G. Santos.
  • Também não tenho qualquer problema com o pronunciamento corporativo do 25 de Abril. Foi o corolário lógico de marcelices, complexos de ventos de mudança e da implosão do regime por telecomando mundialista. Não posso é ignorar as suas terríveis consequências: Centenas de milhares de mortos, milhares de expoliados, enriquecimento cleptocrático de pseudo-elites africanas e europeias, liberdade de pensamento e expressão condicionadas por uma lavagem ao cérebro ideológica facilitada pelo militante apoliticismo do regime deposto, etc., etc., etc.
  • Saudosismo, lamechice, reaccionarismo, direitismo, etc. são epítetos que batem no escudo da minha indiferença.
  • Quanto à ortogénese Volkish, perdão shô Jardim, Volkisch, da Nação espero que a proximidade com as terras do Conde Vlad, certamente mais consentâneas com os seus hábitos higiénicos, lhe permitam reflectir sobre o que é que isso significa no caso de Portugal.

Avante !

8 comentários:

Caturo disse...

Um boa parte dos comentadores (seguramente por inépcia minha em fazer-me entender) acabaram por não perceber patavina do que é uma Pátria, uma Nação, um Estado, um Império

Resta saber que comentadores são esses. Porque, pelo que se viu, só quem agora confessa inépcia é que falhou em convencer o adversário das suas concepções sobre esses conceitos.



ou até mesmo uma etnia (conceito essencialmente cultural e não bio-genético

Conceito que é cultural mas também bio-genético.


ganda raça a portuguesa, descendente de iberos ou de celtas ?

Mais de Celtas do que de Iberos, os quais praticamente nem estiveram em território actualmente português.


de mouros ou judeus ?

Nem duns nem doutros.



de fenícios ?

Não vejo em quê.



de recolectores de conchas ?

Sim, em parte.



de construtores de megalitos ?

Idem.



ah, claro, já me esquecia que as elites são descentes dos germânicos visigodos ou suevos.

Em parte, também.



Qual é que é o essencial e qual o acessório ?

O essencial, é o que define a identidade; o acessório, é o que não altera significativamente a essência da identidade e que, se desaparecer, não acarreta a desaparição do Povo.



É pela língua ariana que se define a Nação?

Sim, se for a língua étnica, a língua-mãe dessa nação.


todo o braslêro é ariano!

O brasileiro branco, sim.



E os moçambicanos ?

A sua língua étnica, não é o Português, mas sim o(s) idioma(s) tribal(is) dos seus antepassados, que persiste em grande parte do território. Acresce que nesse, e noutros casos, sabe-se que a língua oficial lhes foi dada pelo colonizador. Quando se não sabe, o Povo em questão é ariano até prova em contrário. É por isso que se pode considerar que os Romanos, os Lusitanos, os Eslavos, etc., eram todos Arianos.

F. Santos disse...

Pegajoso reducionismo? Se lhe apetece usar o simpático epíteto, bom proveito. Logo a mim, que tenho sido alvo da incompreensão de ambos os lados do "pegajoso reducionismo".

F. Santos disse...

Incompreensão porque a uns (ditos Minhó-timorenses) falta reenquadramento do que é o Portugal pós-descolonização e quais os seus problemas actuais, incluindo obviamente nestes a imigração; a outros, dimensão histórica e reconhecimento do nosso glorioso passado.

o engenheiro disse...

Quero agradecer ao caturo o sincero estímulo para, de uma vez por todas, encerrar o assunto.
Primeiro aprenda e depois abra a boca !
Na viragem do século XIX para o XX já o Prof. Mendes Corrêa tinha feito um exercício brincalhão: a determinação do espectro racial português. Quem o quiser conhecer que leia as "Raças do Império".

Com que então não há por aí sangue judaico nem mouro ?! Wishful thinking my boy ! Wishful thinking ! Ah ! e vejo que o meu amigo descobriu que os iberos não andaram por aqui! Leia menos banda desenhada. Os mais eminentes filólogos e antropólogos ainda não se entenderam sobre se a língua, por exemplo, dos celtiberos (ou melhor as línguas) eram de raiz indo-europeia ou pré-indo-europeia e já o meu amigo vem, de cátedra, lavrar sentença. Boa.
Fique a saber que os estudos genéticos de Cavalli-Sforza apontam no sentido de que as populações do oeste peninsular (Portugal e Galiza) apresentam um parentesco genético bem demarcado do resto da Hispania mas aproximado de algumas populações do Magreb. E que nem Schulten, nem Bosch, nem os santos da casa se entenderam sobre a origem lígur (logo não indo-europeia, possivelmente semita), ou ibérica (eventualmente camítica) dos lusitanos e que, à semelhança do que os médicos fazem quando afirmam " é uma virose, concerteza", designaram-nos por celtibéricos.

F. Santos disse...

O povo português é o que é, podemos estar a discutir percentagens de sangue semita, ariano, que não chegamos a conclusões definitivas (passe o pleonasmo). O que o Engenheiro deve explicar é porque é que a eventual transformação a prazo do nosso país num Brasil mestiço não lhe desagrada aparentemente - transformação essa que alteraria radicalmente a constituição do nosso povo.

Caturo disse...

Caro Engenheiro, o Engenheiro pode ser bom a mexer em números e maquinaria, mas nestes assuntos, quanto mais fala mais se enterra - ou se despe, involuntariamente, de pretensões a falar sobre o assunto.

Ponto por ponto:
Na viragem do século XIX para o XX já o Prof. Mendes Corrêa tinha feito um exercício brincalhão: a determinação do espectro racial português.

E, nas primeiras décadas do século XX, o historiador, arqueólogo e antropólogo Leite de Vasconcellos tinha considerado que os Portugueses eram essencialmente luso-romanos, isto é, um povo resultante da fusão de Lusitanos com Romanos.

Quem o quiser saber, que leia «As Religiões da Lusitânia».


Mas quem quiser saber algo de mais recente, baseado em estudos genéticos recentes, poderá descobrir que a percentagem de sangue «judaico» na população portuguesa, é residual; e que a percentagem de sangue norte-africano, é claramente minoritária. Há três vezes mais proximidade entre os povos europeus, incluindo os Portugueses, do que entre qualquer povo europeu e qualquer povo norte-africano.

Imagino que estas novidades dadas assim de choque tenham um sabor de água gelada pela mona abaixo, mas pelo menos trata-se de uma acção higiénica que contrasta com outro tipo de lavagens (tanto as cerebrais como as que se dão aos porcos).



e vejo que o meu amigo descobriu que os iberos não andaram por aqui!

Pois foi. Agora, falta o meu amigo descobrir também.



Leia menos banda desenhada.

É curioso que diga isso, porque essa tese de que somos Iberos já quase só sobrevive nas obras de banda desenhada infanto-juvenil que pude folhear em livrarias. Adivinha-se que quem as fez tenhas as mesmas fontes que as suas...



Os mais eminentes filólogos e antropólogos ainda não se entenderam sobre se a língua, por exemplo, dos celtiberos (ou melhor as línguas) eram de raiz indo-europeia ou pré-indo-europeia

Está atrasado umas quantas décadas. Já é ponto pacífico que o Celtibero é indo-europeu, embora com algumas influências ibéricas.
Além do mais, convém que se «lembre» (muito esquece a quem não sabe...) que os Celtiberos não estavam propriamente na região que é hoje Portugal, mas sim lá mais para o centro de Espanha...



Fique a saber que os estudos genéticos de Cavalli-Sforza apontam no sentido de que as populações do oeste peninsular (Portugal e Galiza) apresentam um parentesco genético bem demarcado do resto da Hispania mas aproximado de algumas populações do Magreb.

Fique então o senhor engenheiro (de povos?) a saber que pesquisas mais recentes apontam para que o parentesco mais estreito de todo o norte, centro e ocidente hispânicos se aproximem mais da Irlanda e de Gales do que de qualquer outra região do planeta.



E que nem Schulten, nem Bosch, nem os santos da casa se entenderam sobre a origem lígur (logo não indo-europeia, possivelmente semita), ou ibérica (eventualmente camítica) dos lusitanos

Continua atrasado. Depois disso, já Jürgen Untermann veio garantir que o Lusitano é ainda mais puramente céltico do que o Celtibero. Mas, actualmente, a maioria dos filólogos - sobretudo após o estudo que António Tovar fez das inscrições em língua supostamente lusitana de Cabeço das Fráguas e de Lamas de Moledo - inclina-se para a tese de que o Lusitano é um idioma indo-europeu muito arcaico que terá chegado à Ibéria ainda antes das primeiras migrações célticas. De qualquer modo, o seu carácter indo-europeu não sofre já contestação da parte de ninguém.

miazuria disse...

Meu caro "sinho", engenheiro das almas penadas do imperio perdido,
e de louvar a sua preocupacao com a higiene publica e pessoal....
E ja que falamos da mesma devo dizer-lhe que a Europa requere o conde Vlad.Era ca uma higiene purificadora...nem voce escapava!
Eh!EH!
Infelizmente ha quem prefira os odores da catinga e do artificio "estetico"(!!) da bosta de vaca na cabeca encarapinhada...

E,ja agora, "engenheiro" e o seu nome pessoal ou apelido?

Faca contas a vida e nas horas de insonia estude crioulo de "badio di praia".

Passe bem!

miazuria disse...

Corrijo:"se calhar nem voce escapava..."

Afinal de contas nao lhe desejo assim tao mal.

Mocambicanos!? O que e isso?
Tenho conhecimento de makuas, macondes ou makondes, tchuabos, rongas, chisenas,lomues,swailis, etc.


Mocambicanos!?



Se os epitetos de "direitista", "reaccionario" lhe sao tao indiferentes e estranho que os mesmos merecam da sua parte um ponto e uma chamada. Ou nao e?

Passe bem.