segunda-feira, abril 23, 2007

Minha África, minha Dor...




Mas é claro os bonzos (Soares & Cia) continuam a clamar que a culpa é do Velho. E a ajuda humanitária mediatizada, vestindo roupagens filantrópicas, não passa de um dos maiores embustes do nosso tempo disputada por mafias maçónicas. Não fossem as missões caricativas católicas e a hecatombe seria ainda muito maior.
Como é possível olhar para esta imagem e continuar indiferente às cleptocracias que escravizam todo o continente negro?

3 comentários:

Euro-Ultramarino disse...

Caro Engenheiro:
E que dizer das "memórias" do "descolonizador exemplar" Almeida Santos, a limpar-se arrogantemente das graves responsabilidades que lhe cabem na traição que entregou o Ultramar ao comunismo soviético-cubano e as populações ao holocausto? Em uma sociedade com um mínimo de vergonha na cara criaturas como Só Ares, Almeidas "Santos(?!)" e quejandos já teriam sido amarrados ao pelourinho e exemplarmente punidos. Mas não: no que resta da minha Pátria estes sujeitos, ricos e bem-dispostos, passeiam-se para aí com as carantonhas sinistras a pontificar hipócrita, cobarde e prepotentemente. Para mim são passam de estrumeiras ambulantes. Justiça, meu Caro Engenheiro, só mesmo a Divina.
Um abraço.

Anónimo disse...

« [...] Não fossem as missões caricativas católicas [...].»
Ó Sôr Engenheiro!, «caricativas» serão as dos ditos mafiosos; as Católicas são «caritativas».

O Internauta Descerebrado.

o engenheiro disse...

lapsus digitæ, Descerebrado. Obrigado, quand même