sábado, março 04, 2006

Para o FG Santos

Não é o Cântico Negro, não é Régio mas sim Junqueiro. Oiça um excerto da Pátria dita pelo saudoso Filomeno, da maralha de Coimbra. O outro, virá qualquer dia.


Powered by Castpost

5 comentários:

F. Santos disse...

Obrigado, caro Engenheiro, apreciei deveras.

F. Santos disse...

O poema é infelizmente ainda hoje bastante actual. Pena que GJ se tenha posto do lado dos coveiros da Pátria.

o engenheiro disse...

Ósdespois, não.

No fim mudou!

JRA disse...

Peço desculpa mas não me parece o Filomeno. É mesmo?

o engenheiro disse...

Tanto quanto o pessoal de Coimbra afirma (e o registo que tinha na cassette diz) é mesmo o M. Filomeno. Pelas duas vezes que o ouvi também me parece ele. Note, meu caro amigo, que no processo de clarificação e limpeza electrónica do registo (ou, por vezes, pelo natural desgaste do tempo) o timbre e mesmo o pitch são alterados. Acredite que, na minha imcompetência técnica, é o melhor que posso fazer...